×

Mensagem enviada com sucesso!

O tempo médio de resposta é de 1 dia.

Blog

Descobrimento do Brasil: Mitos e Verdades sobre a chegada dos portugueses

Descobrimento do Brasil: Mitos e Verdades sobre a chegada dos portugueses

Descobrimento do Brasil: mitos e verdades sobre a chegada dos portugueses

O dia 22 de abril de 1500 marcou oficialmente a chegada dos portugueses ao território brasileiro, o que se deu pela expedição de Pedro Álvares Cabral. Esse evento ficou muito conhecido como “descobrimento do Brasil”. A chegada dos portugueses aqui foi um dos momentos mais marcantes das grandes navegações, realizadas por eles durante todo o século XV.

Essa expedição de Cabral tinha uma missão dupla: a investigação das possibilidades de Portugal na América e a compra de especiarias na Índia. A chegada dos portugueses ao nosso território deu início à colonização brasileira, apesar de que, nas primeiras décadas, a presença deles foi muito tímida. Por muito tempo, acreditou-se que essa chegada tinha acontecido no dia 3 de maio, mas a descoberta da carta de Pero Vaz de Caminha confirmou a real data.

 

Cabral descobriu o Brasil por acidente?

Mito. Normalmente muita gente pensa que o português Pedro Álvares Cabral usou os conhecimentos de navegação da época para procurar as Índias usando um caminho alternativo em linha reta pelo oceano Atlântico. Sem querer, chegou ao Brasil e nem percebeu o erro – por isso os habitantes daquela terra foram chamados de “índios”. Porém, os mapas portugueses indicavam que havia terras a serem exploradas a oeste, e elas não tinham nada a ver com as Índias. A notícia da chegada de Américo Vespúcio ao Caribe, em 1498, tinha circulado rápido. Portanto, quando chegou a Porto Seguro, Cabral sabia bem a importância da descoberta.

 

O Brasil representava um grande fornecedor de matéria-prima e metais preciosos para Portugal?

Verdade. No século que se seguiu ao desembarque de Cabral, Portugal consolidou a posse da terra, submetendo o Brasil ao seu modelo econômico, erguido a partir das grandes navegações do século 15. Assim, a ocupação e a exploração do território brasileiro – que compreendia inicialmente o litoral de Nordeste a Sudeste – foram feitas em benefício do colonizador: a Metrópole portuguesa. Para ela, a Colônia representava apenas um fornecedor de matéria-prima e metais preciosos.

 

Coco, banana e manga são frutas brasileiras?

Mito. Você pode pensar que essas frutas seriam originais do Brasil. Ilustrações e pinturas sobre a chegada de Cabral (e os primeiros anos de colonização) mostram um litoral parecido com o que conhecemos hoje: praias azuis, de areias brancas, ornadas por longas fileiras de coqueiros. E a banana já seria uma fruta típica do país, muito consumida pelos índios. Contudo, o coco e a banana vieram com os europeus. Os nativos se alimentavam dos animais que caçavam… e de amendoim! Não existiam banana nem coco. Aliás, muitas frutas que associamos ao nosso “país tropical” foram trazidas por colonizadores ao longo do tempo – entre elas, a jaca, a manga e o abacate.

 

A extração do pau-brasil foi a melhor alternativa para exploração do Brasil no Século XVI?

Verdade. No início do século 16, os interesses portugueses estavam voltados para o lucrativo comércio das especiarias orientais, que tinha atingido o ápice em 1498, com a viagem de Vasco da Gama à Índia. Assim, não havia motivos para fazer grandes investimentos no Brasil. Por não exigir muitos recursos, a extração do pau-brasil se revelou a melhor alternativa para explorar o território, batizado inicialmente de Terra de Santa Cruz. Até a década de 1560, o pau-brasil, utilizado para o tingimento de tecidos, foi o principal produto da Colônia, dando-lhe o nome definitivo.

 

Texto retirado do site O Imparcial. Todos os créditos, e principalmente direitos, destinam-se a equipe de redação do site.
Link: https://oimparcial.com.br/noticias/2020/04/descobrimento-do-brasil-mitos-e-verdades-sobre-a-chegada-dos-portugueses/4/#the-post

Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível. Ao continuar a navegar no site, você concorda com esse uso. Para mais informações sobre como usamos cookies, veja nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

Aceito e Continuar